27 de junho de 2009

Chulebridades ou Celebridades?

2 comentários

Amigos e leitores diante da complexidade do evangelho que se é pregado em nossos dias, e isso está em conformidade com a Palavra de Deus, resolvera o homem alcançar o andar mais alto da fama. É uma disputa daqui e outra dali para se tornar o "pastor" mais popular, o "pastor" com maior fama e poder, o pastor "Chulebridade", ops...quero dizer Celebridade.

Basta ligar sua TV aos sabados pela manhã e assitir homens que se dizem cristãos, vendendo sua fama, sua beleza e detonando com suas palavras lideres e pastores. É "toma" daqui e "leva" de lá.

Tudo isso para VENDER o seu evangelho (se podemos chamar isso de evangelho). Esqueceram de que o autor e o consumidor de vossa fé é Cristo Jesus; esqueceram que a igreja tem por missão o Ide e não o Vinde; esqueceram da principal e única Celebridade!

CELEBRIDADE - Pessoa célebre, notável, ilustre, de grande fama, de reputação por atos ou dons de valor artístico, ético, cultural, religioso.

“Por isso Deus deu a Jesus a mais alta honra e pôs nEle o nome que é o mais importante de todos os nomes, - para que, em homenagem ao nome de Jesus, todas as criaturas no céu, na terra e no mundo dos mortos, caiam de joelhos – e declarem abertamente que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus, o Pai”. Filipenses 2. 9 a 11.

Desde a fundação do mundo, milhares e milhares de pessoas foram tidas como celebridades. Mas certamente, nunca houve e nunca haverá, alguém tão “célebre” quanto o Senhor Jesus Cristo.

O texto acima, nos mostra claramente que o nome de JESUS, é o de mais alta honra, é o mais importante de todos os nomes, o mais notável, o maior, de grande e boa fama, de reputação ilibada; O profeta Isaías diz a respeito dEle, “o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”.

Qual foi a única pessoa em toda a história a ser gerada no ventre de sua mãe por graça e obra do Espírito Santo? Jesus. Quem com cinco pães de cevada e dois peixinhos, alimentou quase cinco mil homens, além das mulheres e crianças, de forma que todos comeram, se fartaram e ainda sobraram doze cestos cheios de pedaços de pão e peixe? Quem andou sobre as águas do mar? e ainda convidou um dos seus discípulos a fazer o mesmo? Quem já ressuscitou um homem que há quatro dias estava morto? Quem apenas com o poder da sua palavra, expulsou demônios, curou leprosos, paralíticos, cegos, surdos, mudos, e toda espécie de doenças e deu poder aos seus discípulos, para que em seu nome pudessem fazer o mesmo? Quem morreu em uma cruz, para salvar aqueles que crêem em seu nome? Quem já morreu, foi sepultado e ao terceiro dia ressuscitou para não mais morrer e hoje está à direita de Deus Pai intercedendo por nós? Quem um dia virá buscar uma igreja santa, comprada pelo seu próprio sangue, para estar eternamente com Ele?

Só um, o Rei dos reis, o Senhor dos senhores, Deus Filho, a verdadeira CELEBRIDADE: JESUS CRISTO.

Pr Elder Cunha

Leia mais >>

20 de junho de 2009

Segunda Vinda de Cristo

4 comentários

Jesus virá!

Sem dúvida nenhuma, Jesus Cristo retornará a Terra e julgará todas as nações. Em toda a Bíblia Sagrada e em toda história da humanidade, todos eventos rodeiam essa dispensação - O Glorioso Retorno de Cristo. Voltará não como um réu, mas desta vez como o Juiz. Não como um cordeiro e sim como o Leão da Tribo de Judá. Virá montado num cavalo branco, seus olhos como chama de fogo, em sua cabeça uma coroa, vestido com um manto tinto de sangue e com Ele um exército poderoso angelical e em seu manto e em sua coxa estará escrito: Rei dos Reis e Senhor dos Senhores.


Ocorrerá Entre as nuvens: "Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória." Mt 24.30 mais: Mt 26.64; Ap 1.7

Na glória de Deus: Porque o Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, e, então, retribuirá a cada um conforme as suas obras." Mt 16.27

Na sua própria glória: "Quando vier o Filho do Homem na sua majestade e todos os anjos com ele, então, se asse
ntará no trono da sua glória;" Mt 25.31

Em fogo: "em chama de fogo, tomando vingança contra os que não conhecem a Deus e contra os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus." 2Ts 1.8

Com poder: "Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória." Mt 24.30

Da forma como subiu: "Ditas estas palavras, foi Jesus elevado às alturas, à vista deles, e uma nuvem o encobriu dos seus olhos. E lhes disseram: Varões galileus, por que estais olhando para as alturas? Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao céu virá do modo como o vistes subir." At 1.9,11

Acompanhada por anjos: "Porque o Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, e, então, retribuirá a cada um conforme as suas obras." Mt 16.27; mais: Mt 25.31; Mc 8.38; 2Ts 1.7

Com seus santos: "pois vós mesmos estais inteirados com precisão de que o Dia do Senhor vem como ladrão de noite." 1Ts 5.2;

Subitamente: "para que, vindo ele inesperadamente, não vos ache dormindo." Mc 13.36

Inesperada:"Por isso vocês também fiquem vigiando, pois o Filho do Homem chegará na hora em que vocês não estiverem esperando." Mt 24.44; mais: Lc 12.40; 1Ts 5.2; 2 Pe 3.10; Ap 16.15

Como o re
lâmpago: "Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até no ocidente, assim há de ser a vinda do Filho do Homem." Mt 24.27

Com ressurreição de mortos: "Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro." 1Ts 4.16

Com arrebatamento: "depois, nós, os vivos, santos e fiéis ao Senhor, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor." 1Ts 4.17

Com o propósito de Completar a salvação dos santos: "assim também Cristo, tendo-se oferecido uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardam para a salvação." Hb 9.28;
"que sois guardados pelo poder de Deus, mediante a fé, para a salvação preparada para revelar-se no último tempo." 1Pe 1.5

Trazer à luz as coisas ocultas das trevas:" Portanto, nada julgueis antes do tempo, até que venha o Senhor, o qual não somente trará à plena luz as coisas ocultas das trevas, mas também manifestará os desígnios dos corações; e, então, cada um receberá o seu louvor da parte de Deus." 1Co 4.5

Julgar: "Vem o nosso Deus e não guarda silêncio; perante ele arde um fogo devorador, ao seu redor esbraveja grande tormenta. Intima os céus lá em cima e a terra, para julgar o seu povo." Sl 50.3,4 com "E o Pai a ninguém julga, mas ao Filho confiou todo julgamento." Jo 5.22; "Conjuro-te, perante Deus e Cristo Jesus, que há de julgar vivos e mortos, pela sua manifestação e pelo seu reino:" 2Tm 4.1; mais: Jd 15; Ap 20.11-13

Reinar: " A lua se envergonhará, e o sol se confundirá quando o SENHOR dos Exércitos reinar no monte Sião e em Jerusalém; perante os seus anciãos haverá glória." Is 24.23;
"Foi-lhe dado domínio, e glória, e o reino, para que os povos, nações e homens de todas as línguas o servissem; o seu domínio é domínio eterno, que não passará, e o seu reino jamais será destruído." Dn 7.14;
"O sétimo anjo tocou a trombeta, e houve no céu grandes vozes, dizendo: O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos." Ap 11.15

Destruir a morte: "Porque convém que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos pés. O último inimigo a ser destruído é a morte." 1Co 15.25,26

Postado por Elder Cunha; Referência Vivos

Leia mais >>

Deus vai passar a peneira?

3 comentários

Queridos leitores e amigos, algo está errado com o evangelho de hoje! Ou melhor, o evangelho está complentamente desviado daquilo que os apóstolos, profetas e Cristo deixara para toda a humanidade e não apenas para um povo exclusivo.

O ser humano possui manias de efetuar seletas de coisas que lhe agradam, seja na vida secular ou na espiritual. Buscamos o luxo, o bom, o agradável e o melhor para o nosso ego - chamamos isso de egocentrismo. Quando somos aborrecidos por algo ou alguém; quando somos prejudicados por algo ou alguém ou simplesmente por uma questão de incompatibilidade de genios, temos a reação como de um "animal irracional"- que se vê acuado diante do perigo e foge para longe.

Como evangélico tenho visto que a Igreja tornou-se alguém que inflige feridas nos que curam, em vez de ser alguém que cura os feridos. A verdade é que não podemos ter os mesmo molde do mundo secular, ou seja, olhar somente para o que me agrada, desejar sempre o melhor para o meu interior e agir por seleção - selecionar ao meu ponto de vista o que me agrada e não o que agrada a Deus.

Adoramos e parece que temos o prazer de julgarmos, "não selecionarmos ", os pecadores, os religiosos, os pastores, os profetas e apóstolos da modernidade. Quem somos nós para julgar? A Bíblia nos permite julgar a conduta errada do ser humano e não sair por aí difamando e caluniando pessoas. O pior é quando acusamos, "tocamos a trombeta" e cometemos o memso erro, leia Rom 2.1 "Portanto és indesculpável quando julgas, ó homem, quem quer que sejas, porque o que julgas a outro, a ti mesmo te condenas, pois praticas as próprias coisas que condenas." Não nos esquecemos dos frutos da carne (Gal 5.19-21) "..inimizade, porfias, iras, dissensões...quem pratica tais coisas não herdarão o reino de Deus.."
A realidade é que como igreja, queremos fazer o trabalho que pertence a Deus - separar o joio do trigo - "passar a peneira".

A seguir artigo publicado pelo meu pai na fé, amigo e pastor ao qual tenho me espelhado, Pr José Videira.

"Outro dia ouvi de uma pessoa a seguinte frase: "pastor, Deus precisa passar uma peneira nessa igreja". Essa frase não é novidade para mim, pois já a havia ouvido algumas vezes em uma outra igreja.
A idéia da "peneira" é a de que pessoas que eu considero inferiores ou indignas do convívio cristão sejam arrancadas por Deus num processo de limpeza espiritual. Assim, a igreja fica somente com aqueles que consideramos dignos do ajuntamento cristão e as pessoas inferiores ficam do lado de fora.
A idéia da "peneira" tem o mesmo princípio da maquinação que se passou pela mente de Hitler com a idéia soberba de peneirar o mundo, eliminando as raças inferiores, segundo a classificação de raças feitas por ele, levando à morte cinco milhões de judeus e outros 6 milhões de outras raças.
No bojo desse pensamento do III Reich, reside a mesma idéia racista. Eliminar as raças inferiores da igreja e, portanto, indignas de freqüentá-la. Devem ficar na igreja apenas um grupo separado, peculiar, santo, digno da convivência cristã.
Uma afirmação dessas por si só já é condenável à luz de toda Escritura. Mas também condena à peneira a mesma pessoa que emitiu esse pensamento. Porque o princípio cristão é o do amor, da convivência, da tolerância, do carregar as cargas uns dos outros. Não se arranca o joio, o elemento ruim da igreja, com as próprias mãos, mesmo porque ninguém sabe identifica-lo. Saulo de Tarso bem foi identificado pela igreja primitiva com um homem mau que perseguia os cristãos, mas Deus tinha um plano bem diferente com ele. Somente Deus os conhece, O joio deve, portanto, crescer junto com o trigo, o elemento bom, para que seja por este influenciado.
O joio é aquela pessoa que não soma na igreja. É por natureza crítica. Não sugere melhorias. É difícil conviver com ele. Ele reclama muito. Reclama do banheiro, da água, do café, da mensagem que demora muito, da música que estava alta, das pessoas, de tudo. Ele faz a crítica pela crítica. É o crítico por natureza.
Jesus disse que os sãos não precisam de médicos, mas sim os doentes. Portanto, o lugar de joio é na igreja. Essas pessoas precisam ouvir o evangelho e a igreja é o lugar onde elas devem estar. A cada mensagem pregada, mais uma chance foi ofertada para que houvesse mudança. Minha esperança é de que um dia ela se processe de uma forma tão profunda que cale a boca dos "profetas da peneira".
Pedro, Tiago e João foram três discípulos que sugeriram ao Mestre que se fizesse lá no monte da transfiguração uma igreja só para eles. Vamos fazer três tendas, ou três casas. A gente fica por aqui mesmo e então vamos deixar esse negócio de evangelizar o mundo de lado. Dá muito trabalho. É melhor ficar só nós seis. Jesus, Moisés, Elias, Pedro, Tiago e João. Uma idéia egoísta e totalmente descabida no âmbito do evangelho.
Deixemos o joio crescer juntamente com o trigo. Por ocasião da ceifa do fim do mundo, o Senhor da Seara irá enviar os anjos que farão a colheita do joio, para queimar, e do trigo para reinar com ELE.
Vamos ter amor no nosso coração e muita paciência para com todos os nossos irmãos. Essa é a vontade de Deus. Vamos nos lembrar que quando Jesus nos chamou, éramos tão indignos quanto hoje de sermos chamados de Filhos de Deus. E ELE ainda nos fez Reis e Sacerdotes para reinarmos para sempre com ELE.
Gosto desse versículo de Lamentações de Jeremias 3:22 "As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos. Novas são cada manhã. Grande é a sua fidelidade".

Vamos então ter misericórdia para com todos os que nos rodeiam. Amém.
Pr Videira, candidato permanente a servo inútil."


Postado por Elder Cunha
"A igreja não é um museu para santos, mas um hospital para pecadores," disse Morton Kelsey

Leia mais >>

15 de junho de 2009

Esquisitices Neopentecostais

14 comentários

Com a invasão da doutrina Neopentecostal, muitos evangélicos deixaram de lado a verdadeira doutrina de Cristo e passaram a se alimentar de alimentos indigestos. Qualquer ser humano que tenha o mínimo de raciocinio, consegue discernir das "babaquices e loucuras" desenvolvidas pelos lideres Neopentecas.

Pastores e demais líderes evangélicos começam a demonstrar preocupação diante das extravagâncias que estão surgindo nos púlpitos brasileiros. A cada dia que passa surgem novas práticas anti e extrabíblicas.

As críticas que antes corriam apenas à boca pequena, agora tomam corpo e são divulgadas em sites de expressão. A Igreja Evangélica já não pode calar diante de tamanha irracionalidade. Não desejamos ser julgados pelo pecado de omissão. O povo brasileiro precisa saber que tais tolices, como a seguir exemplificamos, estão à margem do Evangelho que nos foi ensinado por Jesus. Na verdade, se trata de um outro evangelho, gostaria, então, de semear mais um pouco a verdadeira Doutrina de Cristo

Em detrimento da Palavra, multiplicam-se os púlpitos festivos. Luzes, coreografias, encenações inusitadas, objetos ungidos e mágicos, entrevistas com demônios, amuletos, e outras mercadorias, tudo é válido no desvario em que se envolvem pregadores e ouvintes.

A impressão que se tem é que o evangelho, da forma que foi anunciado pelos apóstolos nos primeiros tempos, já não serve para os dias atuais, afinal Deus tem uma "Nova Unção" (que tragédia esse comentário). Falar de pecado, arrependimento, perdão e santidade se tornou antiquado, obsoleto, repreensível. É preciso entreter os ouvintes, apresentar uma nova atração ou unção, a cada semana, tudo semelhante ao que vemos na sociedade consumista. Mas o que é preciso mesmo, e com urgência, é botarmos a boca no trombone, tocar a trombeta e denunciar o que estão fazendo com o evangelho.

Ovelhas que já perderam a noção do que é ser cristão. Não sabem sequer por que Jesus morreu. Têm o dízimo como meio de obter bênçãos espirituais e materiais. Não conhecem o evangelho da renúncia, da resignação, do sofrimento, do carregar a cruz, do contentar-se com o pouco. Certa vez um jovem neopentecostal, disse: “Se sirvo a Jesus, quero ser rico, ter uma boa casa e carro importado”. Os anos se passaram e nada disso aconteceu. Ele e seus pais pararam de ofertar e estão com a fé em declínio. É o que está acontecendo: gazofilácios cheios, pessoas vazias.

É difícil de acreditar que um grupo de cristãos, liderados pelo pastor, alugue um helicóptero e, com dezenas de litros de óleo, passe a ungir a cidade do Rio de Janeiro, derramando uma caneca de óleo aqui, outra ali. Fico a meditar como um líder conseguiu envolver irmãos de boa fé nesse projeto inusitado. O óleo da “unção” deve ter caído em lugares pouco recomendáveis para o mister, tais como animais mortos, fezes e valas fétidas.

Mais incrível é o uso de urina para demarcar território. Essa você não vai acreditar. Em Curitiba, um grupo de irmãos, liderado pelo pastor da igreja, entendeu que deveria demarcar seu território com urina, como fazem os leões e lobos. Após beberem muita água para encher bem a bexiga, seguiram para pontos estratégicos da cidade e passaram a urinar. Foram horas e horas urinando. O comboio de veículos parava em pontos preestabelecidos, e ali, a um sinal, um deles aliviava a bexiga. Ora, esse tipo de lógica poderá levar irmãos a situações mais degradantes ainda. Degradantes, patéticas e irracionais. Algum irmão desse grupo poderá descobrir que determinada espécie animal demarca seu território com suas próprias fezes. Certamente não atentaram para o contido no Art. 233 do Código Penal que trata da prática de “ato obsceno em lugar público”, e estipula a pena de detenção de três meses a um ano, ou multa. A jurisprudência indica que a micção em lugar público configura o crime previsto no referido Artigo, ainda que não haja intenção de vulnerar o pudor público.

Pelas perguntas e respostas a seguir é possível comparar o evangelho de ontem com o de hoje. Após ouvirem a pregação de Pedro, muitos, compungidos, perguntaram: “Que faremos?” Pedro respondeu: “Arrependei-vos”, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo” (At 2.37-38). A resposta, hoje, seria: “Participe das campanhas, faça o sacrifício do dar tudo, e seja próspero”.

Atendendo à curiosidade de Nicodemos, Jesus disse: “Quem não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus” (Jo 3.3). A resposta no outro evangelho: “Seja dizimista fiel”.

Se alguém perguntasse a Tiago o que deveria fazer para livrar-se dos encostos, ele prontamente diria: “Sujeitai-vos a Deus; resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tg 4.7). A resposta do evangelho festivo seria: “Use sal grosso, sabonete de descarrego, vassouras, fitas, colares, cajados, pedras, e seja dizimista fiel”.

Se o pecado do rei Davi – adultério e co-autoria num homicídio - fosse nos dias de hoje, a culpa seria do encosto que estaria nele. Uma série de exorcismos, cinqüenta quilos de sal grosso, uma dúzia de sabonetes seriam necessários para pôr o encosto em retirada.

Às indagações sobre como ter o necessário à vida, Jesus respondeu: “Não pergunteis que haveis de comer, ou que haveis de beber, e não andeis inquietos. Buscai antes o reino de Deus, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Lc 12.29,31). A resposta noevangelho da prosperidade: “Toque no lençol mágico”.

O Apóstolo Paulo confessa que “orou três vezes ao Senhor” para que o livrasse de um espinho na carne. Mas o Senhor, em vez de atendê-lo, respondeu: “A minha graça te basta, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”. Reconhecendo a vontade soberana de Deus, Paulo se conforma e continua com seu espinho. E declara: “Portanto, de boa vontade me gloriarei nas minhas fraquezas”, pelo que “sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Pois quando estou fraco, então é que sou forte” (2 Co 12.7-10). A orientação para esses casos, nos púlpitos festivos, é a seguinte: “Exija de Deus seus direitos”. Sofredores como o Apóstolo, o servo Jó e muitos outros desconheciam esse caminho “legal” para exigir direitos assegurados.

Pedir, do grego aiteõ, sugere a atitude de um suplicante que se encontra em posição inferior àquele a quem pede. É esse o verbo usado em João 14.13 – “E tudo quanto pedirdes em meu nome...” – e 14.14 – “Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei”. “Pedir”, do grego erõtaõ, indica com mais freqüência que o suplicante está em pé de igualdade ou familiaridade com a pessoa a quem ele pede, como, por exemplo, um rei fazendo pedido a outro rei. “Sob este aspecto, é significativo destacar que o Senhor Jesus NUNCA usou o verbo aiteõ na questão de fazer um pedido ao Pai”, por ter dignidade igual Àquele a quem pedia. (Jo 14.16; 17.9,15,20 – Fonte: Dic. VINE). Por essas e outras, há muita gente confundindo alhos com bugalhos.

Repassa-se a idéia de que crente não deve chorar nem passar por qualquer tipo de sofrimento. Crente deve ser próspero. A verdade, por muitos desconhecida, é que a fidelidade a Deus não nos garante uma vida livre de dores, aflições e sofrimento. Dizer que aos crentes e fiéis dizimistas está garantia uma vida de flores, sem lágrimas, sem luta espiritual, sem aperto financeiro, é conversa para boi dormir. Jesus disse que seus seguidores deveriam carregar sua própria cruz, caminhar por um caminho apertado e passar por uma porta estreita “No mundo tereis aflições; na verdade todos os que desejam viver piamente em Cristo padecerão perseguições” (Jo 16.33; 2 Tm 3.12). Era da vontade de Deus que Paulo pregasse o evangelho em Roma. Apesar de sua fidelidade a Deus, os caminhos lhe foram difíceis. Enfrentou provações várias, naufrágio, tempestade, prisões.

Não podemos nos fazer de surdos à zombaria e piadas em torno desse “outro evangelho”. As pessoas tendem a nivelar todas as Igrejas Evangélicas pelo que vê na televisão, ou pelo que vê num ou outro culto. Eu pensaria da mesma forma se não fosse evangélico. É preciso esclarecer a opinião pública sobre o que diz a Bíblia a respeito de cada nova idéia extravagante. Que se façam ouvir as vozes e o protesto dos líderes que defendem a pregação de um evangelho livre de heresias e irracionalidade.

Sem conhecer a verdade bíblica se torna difícil detectar as heresias. Ouça este conselho: não coma pela mão dos outros, mas examine você mesmo se o que o seu pastor prega está de acordo com a Palavra. Se você não estiver devidamente preparado para esse exame, consulte outros irmãos. Faça como os bereanos fizeram em Atos 17.11

Por Elder Cunha. Bibliografia Evangélicos em Crise, Paulo Romeiro

Leia mais >>

11 de junho de 2009

Profecias ou Profetadas?

3 comentários

Olá caro leitores e amigos, hoje resolvi publicar um artigo excelente de nosso querido irmão e amigo Ev. Enoque Nogueira. Posso afirmar, com "unhas e dentes", que tal assunto é delicado e extremamente popular quando envolve as famosas rodas de oração em meio a cristandade neopentecostal. Qual o cristão que jamais recebeu uma "profetada"?

Lembro-me de uma ocasião, quando fora convidado para levar uma palavra em uma vigília assembleiana. Nota-se que, após muito esforço e dedicação consegui findar o curso de Direito e possuir então, o título de bacharel em Direito (eu era apenas um bacharel e não advogado). Após eu ministrar a Palavra do Senhor, certo irmão "profetético" se levantou em "linguas" (não me pergunte qual, pois certamente a do Senhor não era) e se dirigiu em minha direção dizendo:
"Assim diz o Senhor : a causa que tú tens rejeitada, para ti é derrota, mas para mim ... vitória! Sou EU o grande advogado e estarei contigo nesta ação... Vá adiante com ela e através dela lhe darei muito dinheiro, mas muito dinheiro...". Permaneci ali em silêncio, para não escandalizar o irmão e sua profetada, pois como já dito, eu apenas tinha terminado a faculdade e ainda não advogava e até hoje jamais advoguei. Sendo assim, faço das palavras abaixo as minhas.


Estudo elaborado por Ev. Enoque Nogueira

A profecia, conforme conhecemos na Bíblia, significa oráculo e o profeta, vidente. Dependendo da situação, a profecia quer dizer proferir e ainda, anunciar uma mensagem. O profeta bíblico é aquele que recebe uma mensagem do Altíssimo e a transmite para o destinatário.

As profetadas – palavra moderna criada para sinalizar uma profecia duvidosa - são imitações da verdadeira mensagem de Deus com a principal diferença: Não tem nada de revelação por parte de Deus; pode ser de origem humana ou mesmo satânica.

No ambiente evangélico, bem como em outros, circulam novas palavras com significados para uma situação que, às vezes não dura muito tempo e caem no esquecimento. Dependendo do texto, essa palavra poderá se tornar incompreensível no futuro, o que necessitará uma análise exegética para que se possa entender o seu significado. Hoje circula em nosso no meio a palavra “profetada”. Buscando nos melhores dicionários não encontrei o seu significado, mas pude vê-la reproduzida abundantemente nas páginas da Internet, quase sempre querendo dizer a mesma coisa: profecia da carne, profecia do homem, palavra mal proferida para alguém e termos semelhantes.

PROFETADAS - Não existe nada no mundo sem significado e nada acontece por acaso. O desconhecimento das causas que geram algumas situações a que estamos envolvidos não nos exclui de certas responsabilidades. Só através da prática de vigilância estaremos livres de contaminação.

As profetadas funcionam como uma montagem de cenário com o objetivo de simular a manifestação da Glória de Deus através de uma suposta mensagem aos seus servos. São falsas profecias ou profecias não reveladas por Deus. A “proferição” acontece com certa freqüência em alguns lugares mediante a necessidade do ouvinte de por ouvir uma mensagem verdadeira e edificativa e da coragem de certos crentes que agem como “profetadores”. Estes, em muitos casos, pensam que estão obrigados a profetizar todas as vezes que alguém chegar necessitando de uma palavra. Os mensageiros que profetizam por si (profecia da carne como é chamada) podem ser os mesmos que já receberam o dom, mas não conseguem compreender que a revelação só é dada sob o princípio da soberania divina. Ele usa a quem, como e quando quer.

Algumas palavras ditas em profetadas por profetadores podem ser proferidas por profeta ou profetiza em profecias; a diferença está na origem, a primeira é “da carne” e a segunda, revelação de Deus. Mas existem palavras ou frases absurdas e sem bases bíblicas que só são proferidas dos profetadores em suas profetadas. São muitos os motivos e pretextos para profetadas. Colocarei a seguir, alguns possíveis exemplos. Eis aí os tipos de mensagens:

Probabilística
“Meu servo! Vou te dar vitória nesta semana; anota isto na tua agenda e tu verás o cumprimento”.
A vitória anunciada não aconteceu.
O mensageiro pode ter tido compaixão do seu irmão e não querendo vê-lo a sofrer lhe desejou sucesso.

Aparência
“Servo meu! Tenho contemplado os seus gemidos pelas madrugadas nas tuas orações; vou te dar vitória”.
O irmão nunca orava de madrugada.
O profeta o julgou pela aparência; naquele culto o irmãozinho estava contrito e lacrimoso.

Cenário
“Servo meu! Tenho uma grande obra contigo, neste ministério, ao lado do meu ungido.
O ouvinte - de outra igreja - era um visitante amigo do pastor e estava dirigindo a festa a seu pedido.
O “entregador de mensagem” pensou que ele era co-pastor, vice-presidente ou ministro local.

Aparência
“Servo! Tenho preparado para ti uma esposa, loira, alta e muito bonita”.
O ouvinte era casado com uma irmã baixinha de cabelos pretos.
O profeta não sabia que ele era casado.

Compaixão
“Minha serva, amada de meu Pai! Eis que vou curar aquela tua mãe de tal forma que tu dirás: como pode?”.
A mãe estava morta meia hora antes as mensagem.
A “profetizadora” e sua ouvinte não sabiam do falecimento.

Vaidade
“Ungido meu! Eis que falo assim contigo: vou eu te dar o que vieste buscar nesta noite... e tu dirás: na verdade o SENHOR falou! Falo assim para que tu saibas que sou eu quem rege na terra”.
O pastor estava naquele culto de oração tão somente em ação de graças pela compra de uma propriedade.
O “profetador” era o único “vaso” que ainda não tinha “entregado nenhuma mensagem” naquele culto e falou isto no final em tom de voz bem alto.

Desconfiança
“Servo que tenho colocado à frente de meu rebanho! Eis que são muitos que querem te tirar da posição. Vigia servo” Este (um nome em línguas) que está ao teu lado é o que tem te causado tantos males. Sê tu valente e faça tão somente o que eu te mando.
O pastor tinha grande consideração ao obreiro mencionado por código e em vinte anos de trabalhos juntos sempre lhe foi fiel.
O “profeteiro” julgava que de tão esforçado o adjunto do pastor era uma ameaça.

Alto risco
“Serva! Vou eu te dar este varão que esta sendo gerado no teu ventre”.
Na semana seguinte a irmã fez a ultra e o resultado: menina.
O mensageiro sabia que a irmã que já tinha dois filhos muito desejava um menino.

Vulgar
“Jovem que esta à frente desta mocidade! Vou te dar vitória; estou eu atendendo as tuas orações, vou preparar uma varoa para ti, tenho uma obra contigo no ministério, tu farás muitas viagens, tu ajudarás ao meu ungido, grande é a obra que tenho contigo”.
O jovem era diácono, bastante dinâmico e esforçado na Casa de Deus.
O mensageiro conhecia bem de perto os trabalhos do diretor.

Bajulação
“Ungido que estás na direção deste Campo! Vou fazer grande obra contigo na terra; muitos grandalhões virem a ti e se consertarão contigo; tenho eu feito grandes coisas e vou fazer muito mais ainda, para que todos saibam que há um Deus em Israel; muitos virão de uma parte e de outra para ver o que vou fazer através das tuas mãos”.
O pastor era muito amado no seio da igreja, mas morreu uma semana depois da “profetização”.
O mensageiro era o presbítero mais antigo da Igreja e esperava a sua indicação ao ministério.

Teológica
“Meu servo! Eu sou o Jeová Jiré, O Deus de Abraão! Como fui com Davi serei contigo; Não temas tu; quando passares pelas águas, estarei contigo; derrubarei as muralhas de Jericó; dou-te as bênçãos de Gerizim; lê tu a minha Palavra, vigia, ora e cante o hino da vitória; e a minha graça e a minha paz seja contigo”.
Ninguém sabia para quem era a mensagem.
O mensageiro era professor da Escola Bíblica Dominical.

Terror
“Homem! Quem te mandou entrar neste negócio? Não estou contigo neste propósito; vigia! Cuidado! Atenta bem para isto que estou te falando nesta hora e depois tu me louvarás”
O irmão era feirante e comprava material semanalmente.
O mensageiro pensou que ele era Empresário.

Duvidosa
“Olha servo! Eis que tu me pedes há anos uma resposta sobre este negócio; eis que te digo: nem sim e nem não e olha bem o que tu vais fazer”.
Os ouvintes ficaram assustados e perplexos.
O mensageiro não ofereceu nenhuma saída para a crise.

TODO CUIDADO É POUCO - A Bíblia fala de profecias, de “profetas” e de dons de profetizar. O uso dos preciosos dons é coisa serissima. Devemos crer nas profecias, nos dons de profetizar e receber as mensagens de Deus. Mas todo cuidado é pouco; o inimigo está por aí armando as suas ciladas para nos embaraçar e as profetadas funcionam como uma ferramenta terrível, não fundamentada na Palavra de Deus e atraindo pessoas como vemos acontecer no dia-a-dia.

Uma promessa não cumprida pode abater um crente desavisado. Quando alguém acredita em uma mensagem “profetética” e não vê o seu cumprimento corre o risco de sucumbir na fé, exatamente o que o inimigo quer. O nosso adversário quer induzir o máximo de pessoas a não mais acreditarem na Mensagem genuína que vem do coração de Deus, pela boca de seus servos que receberam DELE o dom de profetizar.

PROFECIAS - Paulo diz que os dons são dados a cada uma para o que for útil – ou o bem comum (1 Co 12.7). A profecia é um dom (1 Co 12.10) e que Deus dá a cada uma como quer (1 Co 12.11). Fazendo uma analogia com o corpo humano Paulo deixa claro que não há hierarquia entre os dons e ninguém é maior por portar um deles (1 Co 12.12-30). É permitido procurar os melhores dons (1 Co 12.31), manda aspirar ao de profetizar (1 Co 14.10), mas o apóstolo apresenta um caminho mais excelente que é o amor (1 Co 13).

Como saber se é profecia ou profetada?
É fácil, porém a resposta pode não ser imediata. Vivemos em um mundo aonde a velocidade vem sendo cada vez mais requerida, assim, muitas pessoas não têm paciência de esperar o fiel cumprimento de uma palavra. A veracidade de uma previsão (que não foge aos princípios bíblicos) só pode ser constatada conforme prescreveu Moisés: “E, se disseres no teu coração: Como conhecerei a palavra que o SENHOR não falou? Quando o profeta falar em nome do SENHOR, e essa palavra não se cumprir, nem suceder assim; esta é palavra que o SENHOR não falou; com soberba a falou aquele profeta; não tenhas temor dele” Dt 18.21,22.

Leia também: "Profetas hoje?"

Leia mais >>

9 de junho de 2009

Desmascarando O evangelho Drive Thru

0 comentários

Leitores e amigos, vocês já ouviram alguém dizer por aí a cerca de um outro evangelho? O Evangelho Light ou Drive Thru ou ainda Fast-Food?

Em Filipenses 4:13 temos: "Posso todas as coisas naquele que me fortalece." Paulo jamais pensou que tal frase seria o motivo de tamanha discórdia desenvolvida no meio da cristandade. Utilizada de forma isolada pode surtir muitos efeitos diferentes na vida, as vezes de propósito e outras por falta de entendimento. O texto é retalhado nos púlpitos e resumido somente ao Versículo 13.

Você pode mesmo todas as coisas?

Quando se lê tal trecho retalhado no inicio de um sermão, nossa mente já viaja e automaticamente desenrola todo o andamento da pregação. Através dele desenhamos o que será ministrado e já imaginamos uma pregação hiper prazerosa de autorização e aval de Deus, além de super poderes para conquistarmos tudo ao nosso alcance. É o tão conhecido “Chamar á Existência”, ou evangelho da Confissão Positiva ou se preferir o Neopentecostalismo.

Usando como exemplo o texto de Filipenses, chamo atenção à maneira como a palavra é apresentada hoje em alguns lugares. Taís ministrações recaem sobre nós como se tivéssemos recebido de Deus um Vale-Compras de uma big-loja ou um cheque em branco assinado por Deus, onde você poderá comprar tudo o que quiser. (Esse evangelho eu quero, mas não funciona assim!)

Através daí planta-se no coração das pessoas, a mentira, de que todo cristão deve ser rico. Tal fato acaba desencadeando uma corrida maluca pelas coisas materiais, cargos, posições, a busca cega pelo tudo posso e tudo tenho, e ainda o tal “Sou ou não servo de Deus?”

Criou-se o evangelho Drive Thru - são igrejas de bênçãos rápidas e soluções de problemas imediatas. Onde tudo é resolvido num simples “faça seu pedido”. E Deus que parece morar na lâmpada do crente, fica escravizado e obrigado a cumprir sua promessa e atender a todos. (um big mac ou uma mac oferta gospel?)

Quando se lê todo o capítulo 4 de Filipenses, enxergamos uma realidade diferente através de Paulo. Automaticamente desaparecem os super poderes, juntamente com o Vale-Compras ilimitado e o Cheque em branco assinado por Deus. Paulo narra ali de um relacionamento de confiança e dependência de Deus. Um relacionamento onde a base de nossa vida é Cristo e não mais nossas coisinhas, nossas necessidades, nosso carrão ou nossa casa no Litoral.

Quando Cristo é a base de nossa vida, nada disso importa. Podemos ser pobres e não nos abatermos com tal condição, pois temos a certeza que Cristo nos fortalece em nossa pobreza e não nos permite a vergonha. Podemos ser ricos e isso não representar nada, pois a base é Cristo. Podemos estar desempregado ou ainda doente.... o que importa é Cristo. Nossa base está nEle e Ele nos fortalece para sair de qualquer uma dessas situações em vitória.

Chega do Evangelho Drive Thru que forma cristãos mimados, birrentos e egoístas que acham que podem tudo. Chega do evangelho onde o centro é o homem, com suas birrinhas, descompromissado, buscando milagres de um Deus que é estranho pra ele. Chega de ministrações já mastigadas e manipuladas a interesses próprios.

Seja Cristo o centro de nossas vidas. NEle podemos sorrir nos dias bons e sobreviver aos dias maus em vitória...afinal Cristo nos fortalece! (agora sim)

Por Elder Cunha

Leia mais >>

8 de junho de 2009

Heresias primitivas: "Os Ismos"

0 comentários


O
lá leitores e amigos, hoje vamos combater nossa fé cristã e abordar maus um assunto de seitas e heresias. O penúltimo livro da Bíblia, que é uma das menores cartas do Novo testamento, escrita por Judas, oferece-nos suficientes subsídios que bem explica a necessidade e urgência da Apologia Cristã. Tal epístola veio refutar o erro que sutilmente levava as igrejas gentílicas a tolerarem falsos ensinamentos a cerca da graça de Deus. A linguagem enérgica, exortou o povo a batalhar pela fé (v3) - não somente por argumentos, mas também em demonstração de uma vida reta e pura.

Diante ao exposto reuni aqui as escolas de pensamento filosófico mais conhecidas, e as suas falsas filosofias, no intuito de mostrar ao leitor uma síntese do esforço inútil do homem através dos séculos no propósito de adquirir a sua própria salvação ou redenção. O mais importante é que essas escolas de pensamento fornecem às falsas religiões e seitas o material necessário à sua pregação.

A palavra seita provém do latim secta (de sequi, que significa seguir), uma ideologia ou modo de vida segmentado e comportamental ou filosófico de um grupo. Em seguida algumas heresias primitivas que deram início a muitas seitas:

Agnosticismo - O vocábulo ing. agnosticism foi forjado em 1869 por Thomas H. Huxley, calcado, por oposição ao gnosticismo, no adjetivo gr. ágnõstos, "ignorante, incogniscível". Filosofia naturalista e afeita às coisas e relações da ciência experimental. "É o sistema que ensina que não sabemos, nem podemos saber se Deus existe ou não. Dizem: a mente finita não pode alcançar o infinito. Ora, não podemos abarcar a terra, mas podemos tocá-la! (I João 1.1). A frase predileta do Agnosticismo é: "Não podemos crer". Um resumo de seu ensino é o seguinte: o ateísmo é absurdo, porque ninguém pode provar que Deus não existe. O teísmo não é menos absurdo, porque ninguém pode provar que Deus existe. Não podemos crer sem provas evidentes. Mentores do Agnostícismo: Huxley, Spencer e outros. Estão todos puramente enganados, porque Deus é facilmente compreensível pela alma sequiosa, honesta e constante. Ler Romanos 1 .2O". (Introdução à Heresiologia)

Animismo - Uma das características do pensamento primitivo, que consiste em atribuir a todos os seres da natureza uma ou várias almas. Segundo Edward Burnett Tylor (1832-1917) é também toda a doutrina de índole espiritualista, em oposição ao materialismo. Essa teoria considera a alma como a causa primária de todos os fatos.

Ascetismo - Teoria e prática da abstinência e da mortificação dos sentidos. Tem como objetivo assegurar a perfeição espiritual, submetendo o corpo à alma. Há ainda o ascetismo natural (busca da perfeição por motivos independentes das relações do homem com Deus) que foi praticado pela escola pitagórica. É muito praticado pelas religiões e seitas orientais.

Ateísmo - Teoria que nega a existência de um Deus pessoal. Desde a Renascença, o termo passou a indicar a atitude de quem não admite a existência de uma divindade. Chamam-se ateus os que não admitem a existência de um ser Absoluto, dotado de individualidade e personalidade reais, livre e inteligente.

Ceticismo - Se caracteriza por uma atitude antidogmática de indagação, que torne evidente a inconsistência de qualquer posição, definindo como única posição justa a abstenção de aceitá-las. Foi fundada por Pirro, filósofo grego em 360 a.C. Ensina que visto que só as sensações, instáveis ou ilusórias, podem ser a base dos nossos juízos sobre a realidade, deve-se praticar o repouso mental em que há insensibilidade e em que nada se afirma ou se nega, de modo a atingir a felicidade pelo equilíbrio e a tranqüilidade. Tais pessoas não vivem, vegetam...

Deísmo - O deísmo distingue-se radicalmente do teísmo. Para o teísmo, Deus é o autor do mundo, entidade pessoal revelada aos homem, dramaticamente, na história. Para o deísmo, Deus é o princípio ou causa do mundo, infuso ou difuso na natureza, como o arquiteto do universo. Elaborado dentro do contexto da chamada religião natural, cujos dogmas são demonstrados pela razão, o conceito deísta de Deus pode confundir-se com o conceito de uma lei, no sentido racional-natural do termo. Trata-se do Deus de todas as religiões e seu conceito não está associado às idéias de pecado e redenção, providência, perdão ou graça, considerados "irracionais". É antes um Deus da natureza do que um Deus da humanidade e, como um eterno geômetra, mantém o universo em funcionamento, como se fosse um relógio de precisão. O deísmo surgiu dentro do contexto dos primórdios do racionalismo sob a influência de Locke e Newton. Voltaire, um dos maiores contestadores da Bíblia dos últimos tempos, era deísta.

Dualismo - Em sentido técnico rigoroso, dualismo significa a doutrina ou o sistema filosófico que admite a existência de duas substâncias, de dois princípios ou de duas realidades como explicação possível do mundo e da vida, mas irredutíveis entre si, inconciliáveis, incapazes de síntese final ou de subordinação de um ao outro. No sentido religioso são também dualistas as religiões ou doutrinas que admitem duas divindades sendo uma positiva, princípio do bem, e outra, sua oposta, destruidora, negativa, princípio do mal operando na natureza e no homem. Descartes (1596-1650) é quem estabelece essa doutrina no campo da filosofia moderna.

Ecletismo - Sistema filosófico que procura conciliar teses de sistemas diversos conforme critérios de verdade determinados. Procura aproveitar o que há de melhor de todos os sistemas. No século XIX o ecletismo espiritualista, que se preocupava com o uso do método introspectivo, deu origem ao chamado espiritualismo contemporâneo.

Empirismo - Posição filosófica segundo a qual todo o conhecimento humano resultaria da experiência (sensações exteriores ou interiores) e não da razão ou do intelecto. Afirma que o único critério de verdade consistiria na experiência. É essa a teoria do "ver para crer".

Epicurismo - Nome que recebe a escola filosófica grega fundada por Epícuro (341-270 a.C.). Afirma o princípio do prazer como valor supremo e finalidade do homem, e prescreve: 1) aceitar todo prazer que não produza dor; 2) evitar toda dor que não produza prazer; 3) evitar o prazer que impeça um prazer ainda maior, ou que produza uma dor maior do que este prazer; 4) suportar a dor que afaste uma dor ainda maior ou assegure um prazer maior ainda. Por prazer entende a satisfação do espírito, proveniente de corpo e alma sãos, e nunca de Deus. Buscar prazer e satisfação apenas na saúde ou no intelecto é não ter desejo de encontrar a verdadeira fonte da felicidade.

Esoterismo - Sistema filosófico religioso oculto. Doutrina secreta só comunicada aos iniciados. O esoterismo é ocultista e caracteriza-se pelo estudo sistemático dos símbolos. Há simbologia em tudo o que existe e no estudo dessa simbologia o homem poderá compreender as razões fundamentais de sua existência. Vem a ser uma ramificação do Espiritismo.

Espiritualismo - Denominação genérica de doutrinas filosóficas segundo as quais o espírito é o centro de todas as atividades humanas, seja este entendido por substância psíquica, pensamento puro, consciência universal, ou vontade absoluta. O espírito é a realidade primordial, o bem supremo. O Espiritualismo é dualista, pluralista, teísta, panteísta e agnóstico. E o espiritismo com um nome mais sofisticado. E doutrina de demônios. Aceita a reencarnação e a evolução do espírito.

Estoicismo — Escola filosófica grega fundada por Zenão de Cítio (334-262 a.C.), sua doutrina e a de seus seguidores. O nome deriva do gr. stoa (portada) porque Zenão ensinava no pórtico de Pecilo em Atenas. O estoicismo afirma que a sabedoria e a felicidade derivam da virtude. Essa consiste em viver conforme a razão, submetendo-se às leis do universo, a fim de obter-se a imperturbabilidade de espírito (ataraxia). E uma forma de panteísmo empirista que pretende tornar o homem insensível aos males físicos pela obediência irrestrita às leis do universo.

Evolucionismo - O Evolucionismo é uma filosofia científica que ensina que o cosmos desenvolveu-se por si mesmo, do nada, bem como o homem e os animais que existem por desenvolvimento do imperfeito até chegar ao presente estado avançado. Tudo por meio de suas próprias forças. É preciso mais fé para crer nas hipóteses da Evolução do que para crer nos ensinos da Bíblia, isto é, que foi Deus que criou todas as coisas. Gênesis 1.1; 1.21,24, 25 (Introdução a Heresiologia).

Gnosticismo - Do verbo gr. gnõstikós "capaz de conhecer, conhecedor". Significa, em tese, o conhecimento místico dos segredos divinos por via de uma revelação. Esse conhecimento compreende uma sabedoria sobrenatural capaz de levar os indivíduos a um entendimento completo e verdadeiro do universo e, dessa forma, à sua salvação do mundo mau da matéria. Opõe-se radicalmente ao mundo e ensina a mortificação do corpo e a rejeição de todo prazer físico. É panteísta e, segundo a tradição, (Atos 8.9-24) deve-se a Simão Mago com o qual o apóstolo Pedro travou polêmica em Samaria a sua difusão no meio cristao (Apologia). A maioria dos neopentecostais se enquadram nesta faixa. Haja revelação!

Humanismo - É a filosofia que busca separar o homem e todo o seu relacionamento, da idéia de Deus. O homem, nessa filosofia, é o centro de todas as coisas, o centro do universo e da preocupação filosófica. O seu surto se verificou no fim do século XIV. Marx é o fundador do humanismo comunista.

Liberalismo - É liberdade mental sem reservas. Esse sistema afirma que o homem em si mesmo é bom, puro e justo. Não há um inferno literal. O nosso futuro é incerto, a Bíblia é falível e Deus é um Pai universal, de todos, logo, por criação somos todos seus filhos, tendo nossa felicidade garantida.

Materialismo - Afirma que a filosofia deve explicar os fenômenos não por meio de mitos religiosos, mas pela observação da própria realidade. Ensina que a matéria, incriada e indestrutível, é a substância de que todas as coisas se compõem e à qual todas se reduzem e que a geração e a corrupção das coisas obedecem a uma necessidade não sobrenatural, mas natural, não ao "destino", mas a leis físicas. Segundo essa filosofia, a alma faz parte da natureza e obedece às mesmas leis que regem seu movimento e o homem é matéria, como todas as demais coisas.

Monismo - Os sistemas monistas são variados e contraditórios, entretanto têm uma nota comum: é a redução de todas as coisas e de todos os princípios à unidade. A substância, as leis lógicas ou físicas e as bases do comportamento se reduzem a um princípio fundamental, único ou unitário, que tudo explica e tudo contém. Esse princípio pode ser chamado de "deus", "natureza", "cosmos", "éter" ou qualquer outro nome.

Panteísmo - Do gr. pas, pan, "tudo, todas as coisas" e théos, "deus". Como o próprio nome sugere, é a doutrina segundo a qual Deus e o mundo formam uma unidade; são a mesma coisa, constituindo-se num todo indivisível. Deus não é transcendente ao mundo, dele não se distingue nem se separa; pelo contrário, lhe é imanente, confunde-se com ele, dissolve-se nele, manifesta-se nele e nele se realiza como uma só realidade total, substancial (Spinoza et le panthéisme religieux).

Pietismo - Teve início no século XVIII através da obra de Philipp Spener e August Francke. E uma teoria do protestantismo liberal que dá ênfase à correção doutrinária sem deixar lugar para a experiência da fé. Interpreta as doutrinas do Cristianismo apenas à luz da experiência sentimental de cada indivíduo.

Pluralismo - Não é bem uma Escola de Pensamento, mas uma doutrina que aceita a existência de vários mundos ou planos habitados, oferecendo um âmbito universal para a evolução do espírito. Naturalmente, para cada "mundo", um tipo de "deus". É a doutrina desposada pelas filosofias espíritas ou espiritualistas.

Politeísmo - Crença em mais de um Deus. As forças e elementos da natureza são deuses. Há deuses para os sentimentos, para as atividades humanas e até mesmo deuses domésticos. Os hindus têm milhões de deuses que associam às suas diversas religiões.

Positivismo - Doutrina filosófica pregada por Auguste Comte, (1798-1857) que foi inspirado a criar uma religião da humanidade. Em 1848 fundou a Sociedade Positivista, da qual se originou a Igreja Positivista. O positivismo religioso ensina que nada há de sobrenatural ou transcendente. Suas crenças são todas baseadas na ciência, com culto, templos e práticas litúrgicas. É o culto às coisas criadas em lugar do Criador (Romanos 1.25).

Racionalismo - A expressão racionalismo deriva do substantivo razão e, como indica o próprio termo, é a filosofia que sustenta a primazia da razão, da capacidade de pensar. Considera a razão como a essência do real, tanto natural quanto histórico. Ensina que não se pode crer naquilo que a razão desconhece ou não pode esquadrinhar.

Unitarismo - Fundado na Itália por Lélio e Fausto Socino. Segue a linha racionalista de Erasmo de Rotterdan. Filosofia religiosa que nega a Divindade de Jesus Cristo, embora o venere. É uma filosofia criada dentro do protestantismo que afirma dentre outras coisas, a salvação de todos. Não crê em toda a Bíblia, no pecado nem na Trindade. Semelhante ao Universalismo.

Universalismo - Pensamento religioso da Idade Média que estendia a salvação ou redenção a todo gênero humano. É, talvez, o precursor do movimento ecumênico moderno. O centro da história é o povo judeu, por sua aliança com Deus e depois, a Igreja cristã. Afirma que a redenção é universalmente imposta a todas as criaturas...

E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição e negação o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição. Muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade...( 2 Pedro 2.1-3)


Por Elder Cunha
Blibliografia: Religiões, Seitas e Heresias - J. Cabral

Leia mais >>

1 de junho de 2009

História em chamas

9 comentários

Olá meus amigos e leitores, tenho recebido muitas correspondências com dúvidas a cerca de alguns assuntos tratados na Bíblia Sagrada. Talvez não conseguirei responder a todas, no entanto estarei fazendo um grande esforço, pois devemos estar aptos a responder sobre, a maravilhosa, doutrina de Deus - Sua Palavra.

Que maravilha é servir a Deus e poder desfrutar de seu amor e sua misericórdia. Quanto mais estudamos e meditamos em Sua Palavra, mais nos aproximamos e rendemos a Ele. A Palavra de Deus tem esse poder...de nos libertar das trevas e nos aproximar da luz por intermédio do Espírito Santo que habita em nós. É como uma chama! Quanto mais a alimentamos, mais acesa e intensa se faz em nossas vidas.

Apesar do movimento pentescostal do século 20 ter redescoberto os dons espirituais, incentivando os cristãos a buscarem o batismo com o Espírito Santo e trazendo novo fervor, a verdade é que a chama do Espírito Santo, durante toda a história da humanidade, continuou acesa. Às vezes, surgida ao acaso, como parte dos avivamentos.

No ano 33 - em um cenáculo na cidade de Jerusalém, os apóstolos e outros discípulos recebem o derramamento do Espírito Santo, acompanhado de fenômenos que lembravam o vento e o fogo, além da manifestação de línguas. Após o sermão de Pedro, 3 mil pessoas se convertem.

No ano 156 - Preocupados com a decadência espiritual da Igreja, alguns lideres Montanistas lideram um movimento pela restauração da manifestação do Espírito Santo, que se espalha pelo Norte da África, Ásia Menor e partes da Europa. Mesmo com o apoio de Tertuliano e Irineu (considerados uns dos pais da Teologia) , os montanistas acabam declarados heréticos.

No ano 387 - Agostinho no Norte da África escreve: "Fazemos ainda como os apóstolos, que impuseram as mãos sobre os samaritanos e pediram o batismo no Espírito Santo. Esperamos que os convertidos falem novas línguas."

No ano 1173 - Na Europa medieval, o mercador Pedro Valdo e seus seguidores ensinam o sacerdócio de todos os cristãos e rejeitam as relíquias e tradições, pregando a Bíblia às pessoas em suas próprias línguas. Há relatos de manifestações de glossolalia (falar em línguas) e atos sobrenaturais entre eles.

No ano 1530 - Enquanto a Reforma causa rebuliço em solo europeu, os huguenotes reconhecem a necessidade dos dons espirituais.

No ano 1630 - George Fox cria a Sociedade dos Amigos e defende o relacionamento pessoal com Deus e a direção do Espírito Santo na vida do crente. Foram chamados de quakers ou "tremedores" pelos anglicanos, eles relatam que recebiam e falavam em línguas.

No ano 1735- Choro compulsivo e arrependimento de multidões marcam as reuniões de Jonathan Edwards, John Wesley e George Whitefield. Wesley lidera o avivamento que dá origem ao metodismo.

No ano 1830 - Charles Finney começo a promover reuniões que produzem avivamentos notáveis em diversas cidades do interioir dos Estados Unidos.

No ano 1834 - Edward Irving ensina o batismo com o Espírito Santo e a prática dos dons.

No ano 1873 - Dwight Moody afirma que foi batizado com o Espírito Santo. Em suas campanhas na Inglaterra, surgem manifestações pentecostais.

No ano 1901 - Tem início o pentecostalismo moderno, quando na vigília da noite de ano novo, a estudante Agnes Ozman recebe oração de Charles Parham e alunos da escola Bíblica Betel em Kansas EUA.

No ano 1904 - Uma série de avivamentos acontecem em várias partes da Europa. Evan Roberts, em País de Gales, proclama um despertamento do Espírito Santo.

No ano 1906-1908 - Em um galpão, número 312, da Rua Azusa, em Los Angeles EUA, o pentecostalismo explode e se espalha por todo mundo.

No ano 1910 - Chega ao Brasil a mensagem pentecostal e logo tal movimento se espalha por todo seu espaço, através de Gunnar Vingren e Daniel Berg.

Hoje o Brasil é o berço do movimento pentecostal, com cerca de 24 milhões pessoas adeptas ao movimento. É claro que boa parte desse número são os neopentecostais, no entanto deixemos esses de lado e celebremos a Alegria do Espírito Santo em nossas vidas.

"E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne..." Joel 2.28

Elaborado por Elder Cunha

Leia mais >>

On Line

Este blog possui atualmente:
Comentários em Artigos!
Widget UsuárioCompulsivo
 

Copyright 2008 All Rights Reserved Revolution Two Church theme by Brian Gardner Converted into Blogger Template by Bloganol dot com

^